Com 13 barragens recuperadas, Estado ampliou área de atuação do programa

Com mais de 75 anos de existência, barragem do Algodão em Cedro, nunca tinha secado antes de 2016 – Foto Fernando Augusto (Ascom-Cohidro)

O último período de estiagem em Sergipe alcançou regiões anteriormente menos prejudicadas pela seca. Tal agravante levou à exaustão, mais reservatórios de água do que nos anos anteriores. O Programa de Recuperação de Barragens do Governo do Estado, que desde 2012 executou ações em quase 2 mil dessas aguadas rurais em regiões sertanejas, desta vez teve que agir em novos municípios, a exemplo de Cedro de São João e Ribeirópolis. Ao todo, a Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), investiu R$ 1.470.341,64 na reforma de 13 barragens rurais de médio porte e que fomentam a vida no campo e sustento de 12.438 pessoas.

São barragens de terra, construídas há bastante tempo e que, por ação das enxurradas e da erosão, foram sofrendo assoreamento. Com o passar dos anos, a capacidade de acúmulo de água diminui e, com a seca que se abateu em Sergipe em 2016, os reservatórios secaram totalmente. Segundo o diretor de Infraestrutura e Mecanização Agrícola da Cohidro, Paulo Henrique Machado Sobral, foi ocasião propícia para evitar novas crises de desabastecimento. “Os serviços de recuperação e ampliação das barragens só são possíveis quando estas estão secas, possibilitando assim o aumento da capacidade de acumulação”, estabeleceu.

Para as ações foram destinados R$ 1.240.341,64, dos R$ 2 milhões em recursos do Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza (Funcep), que a Cohidro recebeu via convênio com a Secretaria de Estado da Mulher, da Inclusão e Assistência Social, do trabalho, dos Direitos Humanos e Juventude (SEIDH), desempenhando também ações de perfuração de poços e instalação de sistemas de abastecimento de água. O investimento em recuperação de barragens foi aplicado em municípios sergipanos que, em 2016, tiveram decretado pela União o estado de emergência devido à seca.

E o resultado foi positivo antes mesmo de uma nova seca começar, comemora o diretor-presidente da Cohidro, José Carlos Felizola. “Uma seca das mais severas da história foi, graças a Deus, suprida por um inverno bastante generoso em quantidade de chuva. Isso garantiu que a maioria das barragens que nós recuperamos no período de estiagem, enchesse em sua totalidade. Garantindo assim, uma maior autonomia e chance de persistência do sertanejo no campo, tendo um tempo maior de uso daquela água. Como sempre digo, a água existe no sertão, em forma de chuva. O que é preciso fazer é investir em meios de guardá-la para usar durante a seca. Isso se faz, principalmente com as barragens e as cisternas, outra atuação que a nossa empresa, em breve, vai voltar a ter também no Estado”, argumentou.

Um dos municípios que só passaram a ser atendidos a partir da última seca pelo programa foi Cedro de São João. No Povoado Poço dos Bois, com cerca de 1.100 habitantes, a Barragem do Algodão secou pela primeira vez desde que foi construída, há mais de 75 anos. Mas, depois de recuperada, nas primeiras chuvas de 2017 recuperou sua carga total, ampliada pelas obras que retiraram muita lama de seu leito. Um reservatório de múltiplos usos, atendendo a dessedentação dos rebanhos criados em seu entorno, à pesca artesanal e ao laser, atraindo banhistas das cidades vizinhas e também gerando renda ao comércio local.

Manoel Vieira Alves, 74 anos, aposentado, morador do Poço dos Bois, na época lamentou o açude ter secado, mas tinha esperança de que a obra e as próximas chuvas poderiam reverter esse quadro. “Aqui era o lazer da gente, para dar água ao animal, para tomar banho, pescar, pegar um peixinho. Tudo aqui servia para gente, servia e serve, quando tiver de novo, né? Aqui nasci e me criei, nunca vi uma seca dessa não. Nasci e já tinha a barragem e nunca vi secar. Tem que fazer uma benfeitoria dessa, né? Mas aí agora com essa benfeitoria que tão fazendo, os nossos netos é que vão morrer e ela ainda não vai secar, com o poder de Deus”, suplicou.

Além da Barragem do Algodão, nesta edição do programa e com os recursos do convênio com a SEIDH, foi possível a realização de obras nas barragens públicas nos povoados Alagadiço, em Frei Paulo; Serra da Guia e Queimadas, em Poço Redondo; Mancinha, em Carira; Montes Coelho, em Tobias Barreto; Aningas, em Nossa Senhora da Glória; Lagoa de Dentro, em Gararu. E também nos assentamentos Paulo Freire, em Porto da Folha; Francisco José dos Santos, em Poço Verde; João Pedro Teixeira, em Canindé do São Francisco e na sede do município de Nossa Senhora de Lourdes.

Ribeirópolis
Município do Agreste Central Sergipano, Ribeirópolis resistiu à seca o quanto pode, entretanto sucumbiu à crise hídrica e decretou estado de emergência em fevereiro deste ano. Nessa época, o Programa de Recuperação de Barragens já estava em operação e, para tal, já tinha verbas destinadas às 12 barragens selecionadas. “Dessa forma, para atender a demanda da barragem do Povoado João Pereira, que secou, tivemos que arcar, com recursos próprios, as obras de limpeza da barragem, ampliando em mais R$ 230.000 os recursos investidos pelo Governo do Estado, nesse ano, em barragens”, completou o presidente Felizola.

Agricultor às margens da barragem, Gidelmo Barreto Menezes disse que não é comum a barragem secar, mas acredita que vá ser mais difícil disso se repetir, com a obra que melhorou sua capacidade de acúmulo. “Vai sim, com a água que rendeu, deve durar mais. Chegou a secar, porque o verão veio puxado”, considera. Ele planta, dentre outras cultivares, a batata-doce e é no período do verão que a maior utilidade da barragem se faz presente, quando todas as roças ao seu redor bombeiam da água para irrigação. Mas a orla, lá construída pela Prefeitura Municipal, sugere que se trata de um frequentado espaço de lazer. “A limpeza foi uma maravilha, rendeu mais água, tirou a lama e rendeu água”, completa o morador do Povoado João Pereira, onde vive uma média de 1.400 habitantes.

 

Atualizado em