Cohidro promove intercâmbio entre orgânicos de Lagarto

Na propriedade de Tal as bananeiras produzem o fruto e servem de barreira de produção natural

Produtores orgânicos assistidos pela Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro) no Perímetro Irrigado

Piauí, escolheram as terças-feiras para promoverem visitas nos lotes um dos outros, de forma a atender as recomendações dos órgãos reguladores das Organizações de Controle Social (OCS) e fazer um intercâmbio de conhecimento entre eles. No último dia 19, os agricultores percorreram, em grupo, os plantios de cinco deles, por intermédio da Gerência da Empresa em Lagarto.

Foi uma oportunidade para os irrigantes aprenderem novas técnicas e também ficarem sabendo o que de diferente tem para mostrar cada um dos parceiros que compõe a OCS. Cada agricultor integrante, deste grupo, é responsável pela qualidade do seu lote mas também pela fiscalização do trabalho feito nas plantações dos demais parceiros, conforme explicou diretor de Irrigação da Cohidro, João Quintiliano da Fonseca Neto.

“Durante visita da Divisão de Política e Desenvolvimento Agropecuário do MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), realizada no ano passado, foi dada a recomendação de que produtores orgânicos do Perímetro Irrigado precisavam trabalhar de forma mais organizada e coletiva, como tem que acontecer em uma OCS. Indo até a área dos seus parceiros para fiscalizar, trocam conhecimentos e juntos crescerem, com produtos de mais qualidade e de maior valor de mercado”, colocou João Quintiliano.

Agora o resultado do posicionamento do Ministério da Agricultura está aparecendo e outras terças-feiras já foram marcadas para novas visitas, conforme conta a Gerente do Piauí, Gilvanete Teixeira. “Estamos incentivando os produtores orgânicos a fazerem este intercâmbio, primeiramente todos estes cinco visitando juntos os lotes de cada um deles, para tanto fazerem observações sobre o método de trabalho dos colegas, quanto para também aprenderem, com os outros, algo que ainda não tenha aplicado em seu lote”, explicou.

Presidente da Cohidro, Mardoqueu Bodano parabenizou os irrigantes orgânicos pela iniciativa, deixando claro que a Empresa sempre incentivou a motivação pela união dos agricultores. “Por mais que o atendimento dos nossos técnicos agrícolas seja individualizado, de lote em lote, de plantação em plantação, é sempre bom poder contar com este tipo de grupo forte e unido, disposto a aprender junto e em conjunto tanto assimilar as novidades das ciências agrárias, como também para correr atrás de benefícios em bloco”, enfatizou.

O primeiro agricultor a ser visitado foi José Edmilson dos Santos, o Tal. Produtor orgânico já há 15 anos, ele relata que tanto tem coisas novas para mostrar em seu lote, como também pode aprender muito com os outros. “Notei que ninguém tem, como eu, a bananeira plantada com barreira de vento, que também produz a fruta natural, mas vi os amigos plantando maracujá orgânico. Vou então plantar umas cinco carreiras, encostadas na bananeira”, contou Tal.

Produtor Orgânico veterano, João Pacheco tanto considera importante essa troca de experiências, como também garante a procedência dos seus produtos. “É importante essa união. Eles iam sempre me visitar, mas tinham deixado de ir e agora estão voltando. Tem que se verem mais vezes, um ajudar o outro, trocado o que sabe, porque quem trabalha errado, não fica no mercado. Quem oferece na feira um produto orgânico sem ser, logo é descoberto. Eu não vejo problema em vir visitar minha horta, porque sei que estou trabalhando correto”, destacou.

Raimundo Batista do Nascimento é outro experiente produtor orgânico do Perímetro Piauí que tem como carro-chefe a produção de Bata-doce, maracujá, mandioca, macaxeira e coentro. Sobre a iniciativa de visitar os outros produtores, Raimundinho ficou animado. “Vai indo um na roça do outro, aprendendo, isso é importante. Vamos agora também planejar pra trabalhar na roça um do outro, toda terça-feira. Eu mesmo, por exemplo, achei mais bonito foi o ‘tratorzinho’ que faz as leiras, os canteiros. que Tal está usando no lote dele. Deu vontade de comprar um também” relatou.

Atualizado em