Em Lagarto, agricultor irrigante desafia clima no plantio de espécies frutíferas incomuns

Cohidro incentiva produtores atendidos nos perímetros irrigados a diversificar culturas para conquistar mercados
[Foto: Jorge Henrique]
Na entrada do distrito sede de Lagarto, no caminho de quem vem de Salgado, fica a propriedade de Edelzio Góes. Nos seus 2,3 hectares de área plantada no Perímetro Irrigado Piauí, ele não se contenta em plantar as espécies comuns aos outros 420 lotes atendidos pela irrigação do Governo do Estado; como milho, macaxeira e pimenta. A produção de mamão Havaí está consolidada e lhe garante boa freguesia, já que o fruticultor encontrou meios de produzir praticamente sem pesticidas, mas inventivo e inquieto, ele também quis plantar pinha e uva. Contando com a irrigação fornecida pela Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), Edelzio não para e, agora, faz experiências com um cultivo ainda mais incomum ao clima quente do centro sul-sergipano: o morango. E já começou a investir em uma estufa, para plantar a fruta protegida de pragas.

Quem bota fé na capacidade de Edelzio e dá orientação para cada nova cultura que ele põe na terra é o técnico agrícola da Cohidro, Willian Domingos, responsável por atender os irrigantes do setor do perímetro Piauí em que o lote do agricultor está localizado. “Ele introduz certas culturas aqui, que às vezes nós não apostamos. A pinha, por exemplo, é uma cultura que enfrenta vários problemas com o vento, na polinização. Mesmo assim, ele apostou e estamos apoiando. Já conseguimos colher algumas, de boa qualidade, mas ainda não foram comercializadas. O morango foi outra cultura que alertamos a ele dos riscos de fungos e bactérias. Mas a intenção dele é inovar, cultivando o morango dentro da estufa”, conta.

Edelzio encara o desafio de plantar frutas diferentes do habitual em Lagarto. Lança mão da sua criatividade para superar as dificuldades, mas também investe nos seus sonhos. “Gosto de experiências, tanto que plantei pinha que ninguém tinha. Mamão e morango quem começou também fui eu, e tudo isso é bem inovador. Tenho o tratorito, onde faço o serviço de limpeza, uso a grade e faço pulverizações também puxadas por ele. Tenho investido na construção da estufa que pretendo fazer, para ajudar no plantio de morango”, revela o agricultor. Para ele, a retribuição vem quando alcança o resultado que espera, antes mesmo do seu esforço lhe gerar lucro. “Me sinto muito realizado quando faço alguma coisa que dá certo. Mesmo ainda não tendo uma produção em grande escala, já comemos bastante pinha aqui nesse ano e, no ano que vem, com certeza já dá para comercializar”, confia o produtor irrigante.

Embora no perímetro da Cohidro em Canindé de São Francisco a produção de uva já esteja em nível comercial, no perímetro de Lagarto a cultura é uma novidade. Willian Domingos acompanha de perto, e aprende com a evolução dos parreirais. “Nós temos alguns desafios aqui e trouxemos três variedades: a Vitória com os porta-enxertos 313, e Paulsen, e a Itália. Porém a Itália terá de ser eliminada, por não ter produzido nada e com grandes problemas com doença”, avalia Willian. Para ele, a dificuldade no cultivo da uva é a umidade. “Aqui chove em torno de 1.000 a 1.300 mm/ano, com isso, muitas doenças surgem e o controle se torna mais complicado”, explicou o técnico. Ainda assim, ele acredita que a cultura promete bons resultados, se empregada a tecnologia certa nas videiras plantadas há cerca de um ano e meio.

“A gente nunca sabe de tudo, né?! Estamos sempre aprendendo. A experiência aqui é boa, está produzindo, mas ainda é em pequena quantidade. Espero que quando a planta ficar mais velha, ela comece a produzir mais, porque o investimento foi alto e temos esperança que uma hora melhore. Temos pontos positivos e pontos negativos, porque a umidade relativa do ar é muito alta, então ela dá muita doença fúngica, como o ‘míldio’; e quando dá essa doença no cacho da uva, ele não vinga e se perde inteiro. Temos procurado controlar, mas no período de chuva é difícil. Nossa felicidade é a pessoa comer e gostar. Mesmo que não tenha bom lucro, a gente sabe que está produzindo coisa boa”, diz o viticultor Edelzio. Ele ainda garante que, na fase maturação de suas 400 videiras, não aplicou nenhum pesticida, permitindo o consumo seguro dos frutos in natura.

Atualizado em