Perímetro Califórnia: Irrigante de Canindé opta pela acerola, evita agrotóxicos e garante melhoria na renda

Cohidro incentivou a mudança e a alternância de culturas, pelo aspecto técnico, econômico e de saúde
Josival Pinto [Reprodução de imagem de Jorge Henrique]

Cerca de 450 pés de acerola são cultivados no Perímetro Irrigado Califórnia, em Canindé de São Francisco, no lote do agricultor Josival Pinto, atendido com irrigação pública e assistência técnica pela Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri). O fruto apresenta produção constante durante boa parte do ano, mas se concentra no verão. Com um ciclo de apenas 21 dias, da flor ao fruto maduro, as colheitas são feitas em dias alternados. O produtor costumava cultivar quiabo, mas além do uso de agrotóxicos na produção, a rentabilidade estava sendo baixa devido aos preços conseguidos na comercialização.

Também vinculada à Seagri, a Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro) é quem faz a fiscalização do uso irregular de agrotóxicos no estado. Através de sua Coordenadoria de Insumos Agropecuários (Codia), somente no ano passado, atípico pelas medidas de restrição por conta da pandemia, foram realizadas 1.354 ações efetivas de combate ao uso abusivo desses produtos em estabelecimentos comerciais, prestadoras de serviços e, também, em propriedades rurais. Foi numa destas abordagens que Josival Pinto mudou a ideia sobre como manter suas lavouras. “Antes eu achava que só produzia bem com bastante agrotóxico. Hoje, graças a Deus é sem. Deixei de passar veneno, por causa da multa e por saber que é errado. Agora entendo como a fiscalização me fez bem. A limpeza hoje quem faz são as aves, que catam o besouro, eliminando tudo”, conta o agricultor irrigante.

Com o incentivo da Cohidro, foi possível realizar a alternância de culturas há mais de cinco anos e, hoje, Josival Pinto reduziu o uso de agrotóxicos. Segundo o diretor de Irrigação e Desenvolvimento Agrícola da companhia estadual, João Fonseca, isso é parte da assistência técnica dada ao irrigante dos perímetros. “A importância da alternância de culturas para a produção agrícola é que ele previne e diminui a propagação de doenças e pragas nas culturas que estão sendo produzidas naquele lote. Então, é importante os agricultores estarem alternando culturas para diminuir o uso de defensivos agrícolas. A pessoa planta o quiabo, depois planta o milho, depois pode plantar acerola, como foi o caso. Isso melhora a condição do solo e da planta no suporte a qualquer doença ou praga”, argumenta.

Com pés da aceroleira de até 5m de altura, o agricultor afirma que foi a melhor escolha desde que largou o plantio do quiabo. “Eu consigo colher todos os dias, mas três vezes por semana eu tenho contrato certo. Às vezes chega de R$ 30, R$ 35, R$ 40, a caixa [de 20 kgs]. Depende muito da colheita”, revela Josival, que explica que a demanda e preço variam de acordo com a produção: quanto mais frutos produzidos na região, mais o preço tende a cair e a procura a diminuir. Mas ele mantém uma clientela certa para vender sua acerola. Foi para chegar a esta segurança econômica que a Cohidro sugeriu ao produtor irrigante mudar a cultura agrícola. Além da questão sanidade das lavouras, a troca de culturas é incentivada devido ao aspecto econômico, como defende a gerente do perímetro Califórnia, Eliane Moraes.

“É uma tentativa que temos feito junto com os técnicos e o produtor, para que diversifique o produto que pratica no seu lote, e os que têm aderido estão tendo um resultado muito bom. A acerola foi uma das alternativas mais aceitas, tem um preço mais ou menos estável, nunca baixa a determinado patamar e eles têm uma colheita de duas a três vezes por semana. O Josival é um produtor que realmente aderiu ao sistema mais natural e está satisfeito com isso. Ele diz que acha bom porque cuida da saúde dele e das pessoas que ele fornece, e é importante essa conscientização”, conclui Eliane.

Atualizado em