Em visita a perímetros irrigados no Alto Sertão, ministra Tereza Cristina recebe demandas dos agricultores

Acompanhada do secretário André Bomfim, ministra garantiu a retomada da liberação de recursos do PAA para Sergipe e a reestruturação de perímetros federais

Além de participar da ExpoRingo 2019, a ministra da Agricultura Tereza Cristina aproveitou a passagem por Sergipe para ir aos municípios de Canindé de São Francisco e Poço Redondo, no Alto Sertão Sergipano, onde visitou o perímetro irrigado mantido pelo Incra e pela Codevasf, Jacaré-Curituba – que também é o maior assentamento de reforma agrária em perímetro irrigado da América Latina. Acompanhada pelo secretário de Estado da Agricultura, André Bomfim, ela conheceu a cooperativa do projeto, bem como a do Perímetro Irrigado Califórnia, administrado pelo Governo do Estado; além de uma Unidade de Recuperação de Áreas Degradadas (Urad).

A visita técnica da Ministra teve o intuito de apurar se as políticas públicas pensadas pelo governo Federal para o Nordeste atendem às necessidades dos produtores. O secretário André Bonfim avaliou positivamente a iniciativa, sobretudo porque ela indicou prioridade para a agricultura familiar, no sentido do incremento à assistência técnica rural e à desburocratização do acesso ao crédito. “A ministra também mencionou a importância do crédito fundiário, enquanto via de acesso à terra, e da regularização fundiária, para dar segurança jurídica aos agricultores e a possibilidade de acesso aos créditos rurais”, analisou André Bonfim.

PAA
Gerido pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) não liberou recursos, em 2018, para as propostas de agricultores de todo estado, já aceitas na modalidade Doação Simultânea. Esse foi o assunto de outra parada na visita ministerial ao Alto Sertão. De volta a Canindé, Tereza Cristina ouviu as considerações de Levi Alves Ribeiro, presidente da Cooperativa de Fomento e Comercialização do Perímetro Irrigado Califórnia (Coofrucal), no pólo de irrigação do governo de Sergipe, administrado pela Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro).

“Temos, hoje, um quadro social de 57 produtores da agricultura familiar, temos duas associações agregadas à nossa cooperativa, que têm apresentado produtos diferenciados: o pão de mel, o bolo bacia e o mel; mas até agora, nós só conseguimos atender 36 agricultores, participando em um projeto do PAA de 2017, no valor de R$ 192 mil. No ano passado, fizemos dois projetos que foram aceitos, de R$ 127 mil e R$ 220 mil, no entanto, ficaram parados por falta de recursos. Portanto, reivindicamos a liberação, para que possamos retomar esses projetos”, pediu Levi Alves à ministra.

Na modalidade Doação Simultânea, o PAA compra a produção do agricultor familiar durante um período, com entregas regulares de alimentos aos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), para distribuição in natura às famílias em situação de insegurança alimentar, ou instituições como creches, orfanatos, asilos e hospitais, para o preparo das refeições. “Esse programa não acabou e nem vai acabar. Nós temos menos de 90 dias de governo, estamos ajustando, mas os bons programas vão continuar. Se ele é bom, traz renda, é prioridade. Fiquem com seus documentos, com as suas associações em ordem, que vocês voltarão a participar dos projetos”, garantiu Tereza Cristina.

Para ler a matéria completa clique aqui.

Fonte: Agência Sergipe de Notícias

Atualizado em