Irrigação da Cohidro tem colheita recorde de 115 mil toneladas

Irrigação na Cohidro

O balanço anual da produção gerada nos seis perímetros irrigados da Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), mais uma vez superou os números registrados no ano anterior: 115,2 mil toneladas de produtos agrícolas foram produzidas em 2014, aumento de 6,45%. Isso repercute também em um acréscimo de R$ 9,6 milhões na renda gerada pelos irrigantes, totalizando neste ano R$ 105,6 milhões, que beneficiaram 10,5 mil pessoas. O Perímetro Califórnia teve o maior aumento no volume, três mil toneladas colhidas a mais, porém foi no Perímetro Piauí que houve o maior percentual de crescimento, 10,5%.

Sônia Loureiro, gerente de Desenvolvimento Agropecuário da Cohidro, departamento responsável pelo levantamento anual da produção nos perímetros, revela que foram cultivados, ao todo, quase 500 hectares a mais do que em 2013, totalizando 6.191,3 hectares neste ano. “Só no Perímetro Califórnia, em Canindé de São Francisco, a área plantada aumentou em 10%. Sendo o maior da Cohidro, com área cultivada de mais de 2,5 mil hectares em 2014, o pólo de irrigação situado no Alto Sertão causou o maior impacto nos resultados”, informou, alertando também que a fertilidade do solo sofreu forte influência com o aumento da incidência de chuvas nos dois últimos anos, se comparado a 2012.

“No Califórnia, as principais culturas tiveram suas áreas de cultivo ampliadas, a exemplo do quiabo – que ocupa o maior espaço plantado nos lotes – de 710 hectares, passou para 780 neste ano, o que fez produzir 1.400 toneladas a mais. O mesmo aconteceu com a macaxeira, de 295 para 324,5 hectares, aumentando 13,6% a produção, seguido pelo feijão-de-corda 10%, milho e goiaba: 9%”, acrescentou a engenheira agrônoma Sônia Loureiro, informando que, no perímetro de Canindé, em 2014 ocorreu um crescimento total de 7,8% no que foi produzido.

Perímetros de Itabaiana
No Perímetro Irrigado da Ribeira, em Itabaiana, as hortaliças folhosas apresentaram a melhor alta de produção, sendo que de alface foram colhidas 11.280 toneladas, 480 a mais que em 2013, diferença que corresponde a R$ 2,6 milhões a mais na renda dos produtores quando comercializam o produto, que é vendido em Sergipe e na capital baiana, Salvador. Resultado parecido ocorre com o coentro, que em 2014 teve produção de 3.960 toneladas e rendeu R$ 11,9 milhões aos irrigantes. Ao todo o pólo de irrigação da Cohidro produziu neste ano 22 mil toneladas de alimentos.

Jacarecica I é o outro perímetro da Companhia em Itabaiana. Esta unidade de irrigação da Cohidro se destaca pela produção de batata-doce, que teve 3.900 toneladas colhidas em 2014, 500 a mais que no ano anterior e gerou R$ 3,5 milhões de renda aos produtores irrigantes. O Perímetro também produziu 6,5 mil toneladas de alimentos, quase 9% a mais que no ano passado, rendendo em torno de R$ 10 milhões de receita, contando com os ganhos de todas as culturas e que beneficiaram 630 pessoas.

Jacarecica II
Abrangendo os municípios de Malhador, Riachuelo e também Areia Branca, o Perímetro Irrigado Jacarecica II tem sua maior produção localizada no cultivo de cana-de-açúcar, que neste ano alcançou 34.650 toneladas colhidas, rendendo aos produtores, que abastecem as usinas da região, R$ 2,4 milhões. Tal atividade – que ocupa 495, dos 723 hectares de área plantada em 2014 – faz com que todos irrigantes assistidos pela Cohidro nesta unidade alcancem um total de 38,7 mil toneladas produzidas no período. Destaque também para o inhame cultivado no pólo de irrigação, que produziu 1,2 mil toneladas.

Jabiberi
Perímetro irrigado situado em Tobias Barreto, o Jabiberi tem na pecuária leiteira a sua atividade principal, a qual é beneficiada pela água que irriga as pastagens. Lá, em 2010, foi implantando o Projeto “Balde Cheio”, uma parceria com a Embrapa que no primeiro ano de atividade dobrou de mil para 2000 litros a produção de leite dos irrigantes. Ano a ano a produção só vem aumentando e durante 2014 estes produtores comercializaram, ao todo, 1.224.655 litros de leite, uma média recorde de 3,3 mil por dia. Toda produção abastece um laticínio local e resultou na confecção de mais de 122 toneladas de queijo.

Para o Diretor de Irrigação da Cohidro, o engenheiro agrônomo João Quintiliano da Fonseca Neto, este resultado que vem sendo alcançado no Jabiberi se deve à assistência técnica, o clima propício e o aumento no entusiasmo dos produtores com o Projeto. “Com a oferta de água regular, quer seja por irrigação ou chuvas, foi se propiciado uma melhor pastagem e consequente aumento na produção leiteira. As melhorias anunciadas para o Perímetro também estão animando os produtores que estão investindo mais em alimentação de qualidade, aumento e melhoria genética de seus rebanhos. Graças ao Proinveste, o Governo Estadual vai investir mais de R$ 1,2 milhão em reformas estruturais no Perímetro e na automação do sistema de irrigação”, relatou.

Perímetro Piauí
As áreas de plantio das principais culturas, no Perímetro Irrigado Piauí, aumentaram de dois a três hectares em média, resultando em crescimento de 9,5% de terras cultivadas. Foram produzidas 7.846 toneladas de alimentos no pólo de irrigação da Cohidro em Lagarto neste ano, um incremento de 10,5%, maior percentual dentre os perímetros da Cohidro, o que também gerou quase R$ 1 milhão a mais na renda dos produtores irrigantes, totalizando os R$ 13 milhões que beneficiaram 358 agricultores familiares.

Perspectivas de aumento
Mardoqueu Bodano, presidente da Cohidro, acredita que os investimentos a serem feitos tendem a aumentar ainda mais a produção nos próximos anos. “O Proinveste vai recuperar estruturalmente quatro dos nossos pólos de irrigação: Piauí, Jabiberi, Ribeira e Califórnia. Serão quase R$ 6,5 milhões para reformas que vão desde o conserto dos canais de concreto até a substituição dos sistemas de irrigação pelos automatizados, modernização que também é prevista para os perímetros da Ribeira e Jacarecica I, mas por meio de outro projeto: O “Águas de Sergipe”, que vai injetar R$8 milhões nestas unidades e no Jacarecica II, através de empréstimo junto ao Banco Mundial, para minimizar o impacto ambiental provocado pela agricultura na bacia do Rio Sergipe” revelou.

Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter