Cohidro e Abid discutem realização de Congresso Nacional de Irrigação em Sergipe

Cohidro e Abid

Diretores da Associação Brasileira de Irrigação e Drenagem (Abid) estiveram na Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro) no dia 12, quinta-feira. A reunião entre os presidentes das instituições tinha como objetivo conseguir o apoio da Empresa Pública para a realização do XXV Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem (Conird), que neste ano ocorre em Aracaju de 25 a 30 de outubro, na Universidade Federal de Sergipe (UFS) e também para agendar visitas técnicas aos seis pólos de agricultura irrigada, que a Estatal Sergipana administra.

Itinerante, a diretoria da Abid concentra seus trabalhos cada ano em um estado diferente da Federação, conforme a programação do Conird. Segundo o presidente da Entidade Nacional, Helvecio Mattana Saturnino, neste ano em Sergipe irá começar o ciclo de congressos anuais que vão ocorrer no Nordeste, sob a temática da “Agricultura Irrigada no Semiárido Brasileiro”. Embrapa, UFS e Secretaria de Estado de Agricultura, Desenvolvimento Agrário e Pesca (Seagri) são outros parceiros que Associação procurou estreitar relações durante toda aquela semana de visitas.

Prioridade no uso da água
Atualmente, segundo Helvecio Mattana, o que mais se discute é a questão da prioridade do uso dos recursos hídricos, cada vez mais escassos e demonstrando já fazer falta em algumas regiões brasileiras em determinados períodos. “Está faltando uma reservação e uma preservação da água, porque a água só é vital para a produção de alimentos, para dessedentação humana, animal e para nossa higiene”, coloca o presidente da Abid, em oposição ao atual modelo de produção energética, muito dependente do setor hidroelétrico, ao qual, para ele, não deveria ser a prioridade no uso dos mananciais.

Também preocupado com as reservas hídricas o presidente da Cohidro, Mardoqueu Bodano, discorre que “em Sergipe ainda existe muita água disponível para irrigação, porém é muito pouco usada e quando é, principalmente fora dos nossos perímetros, é usada de modo errado. Temos um trabalho constante de conscientização e captação de recursos para promover, continuamente, uma mudança no modelo de irrigação nas unidades da Companhia, para que cada vez mais estes agricultores passem a aderir à irrigação localizada, a microaspersão e o uso de sistemas automatizados, para daí reduzirmos ao máximo o desperdício e assim fazermos a nossa parte, pensando neste futuro em que a água será cada vez mais escassa”, expôs.

Também presente na reunião, a Gerente Geral dos Perímetros Irrigados da Cohidro, Maria Lúcia Ferraz, colocou que atualmente existe uma discussão, entre os poderes públicos, em função da prioridade que vai ser dada à água dos reservatórios dos perímetros da Empresa, que foram construídos para o uso na irrigação. Conforme as cidades crescem, cada vez mais estas reservas estão sendo requisitadas na captação para consumo humano.

“Nesse sentido, atualmente o que temos de ação mais importante é a intervenção do programa ‘Águas de Sergipe’, na recuperação ambiental da Bacia do Rio Sergipe, em que fazem parte os perímetros Jacarecica I e Ribeira, em Itabaiana. No projeto, uma das ações está sendo a mudança para a irrigação localizada e assim reduzir o nosso consumo para a irrigação”, explicou Maria Lúcia, sobre o atual conflito entre o uso da água para o consumo humano, agrícola e ainda para piscicultura, também presente nos polos de Irrigação da Cohidro.

O presidente da Abid vai ainda mais longe na questão que envolve a prioridade que deve ser dada às reservas hídricas. “Não é correto dizer que a irrigação consome a maioria da água, quando não existe nenhum projeto que trate do seu reuso. Vejo a agricultura irrigada como grande parceiro do consumo humano, pois eu posso pegar o efluente urbano, usar na irrigação e devolver como água tratada, com um custo mais baixo, em estado igual ou melhor do que qualquer sistema de tratamento industrial”, pondera Helvécio, idealizando projetos que podem amenizar a falta d’água em um futuro próximo.

Bons exemplos
Já o presidente da Cohidro explicou aos visitantes que o uso de novas tecnologias têm sido uma constante na Empresa, visando, ao mesmo tempo, uma melhor produção e redução de consumo de água. “Uso de exemplo o Perímetro Irrigado Jabiberi, em Tobias Barreto, onde a irrigação não dava certo quando era feita por inundação. Hoje, depois de implantado o projeto ‘Balde Cheio’ da Embrapa, tanto se consome menos água com o sistema de microaspersão automatizado, quanto a produção de leite dos irrigantes passou, de uma média de 250 litros por dia, para os atuais 3 mil litros”, comemorou Mardoqueu Bodano.

Conird
Bastante entusiasmado com a possibilidade da Cohidro participar do XXV Conird, Mardoqueu Bodano já planeja ações que possam enriquecer a discussão focalizada na agricultura irrigada que o evento propõe à Sergipe. “Vamos procurar reunir nossos diretores, gerentes de perímetros e engenheiros para planejar e enumerar de que forma poderemos contribuir com nossos especialistas, infraestrutura e instalações para fazer deste Congresso não só o primeiro, mas também o melhor do Nordeste”, se entusiasmou o presidente da Cohidro.

Maria Lucia
Mardoqueu
Helvecio

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter