Projeto de irrigação Manoel Dionísio é apresentado para prefeitos e movimentos sociais

Secretário, prefeitos, diretores, técnicos e lideranças rurais. Foto: Ascom/Seagri

O Projeto de Irrigação Manoel Dionísio Cruz, que prevê a construção de 100 km de adutoras com capacidade para atender cinco mil agricultores familiares, foi apresentado nesta quarta-feira, 22 de julho, em evento realizado pela Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri).

O Evento aconteceu na sala de convenções do Hotel Águas do Velho Chico, município de Canindé de São Francisco e contou com a presença do prefeito local, Heleno Silva e do prefeito de Poço Redondo, Roberto Araújo, além de vereadores, representantes dos movimentos sociais, colônias de agricultores, técnicos e diretores da Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro).

Secretário de Estado da Agricultura, Esmeraldo Leal falou da alegria de apresentar aquele estudo contratado pelo Governo de Sergipe e do significado da apresentação pública. “Não basta o governo contratar a elaboração de um projeto tão grandioso como este e fazer apenas uma discussão técnica de gabinete. Então promovemos uma mobilização com autoridades locais e movimentos sociais, com o sentimento de que esse não é apenas um desejo do governo, mas de toda a sociedade. Sabemos da luta e do compromisso do povo do sertão com este projeto e acredito em sua conquista”, destacou Esmeraldo.

O prefeito de Canindé, Heleno Silva, disse está muito esperançoso com mais um projeto de irrigação para a região. Ele explicou que “a irrigação muda o cenário da produção para melhor. Isso significa emprego, renda e melhoria da qualidade de vida para nosso povo. Quero parabenizar o Governo do Estado por dá mais um passo nesse projeto que é suma importância para nossa região”.

Roberto Araújo, prefeito de Poço Redondo, lembrou-se dos momentos de luta na área da antiga fazenda Quixabeira, local onde hoje estão as colônias de agricultores que serão contemplados com a irrigação. “Esse projeto é um sonho para nós. A partir dele, pode nasce futuros projetos que vão contemplar outros municípios da região”, disse o prefeito. Ele elogiou a bela homenagem de se colocar o nome de Manoel Dionísio Cruz no projeto que vai beneficiar agricultores familiares, visto que ele foi um grande defensor das causas populares.

Apresentação do Projeto
A apresentação do Projeto técnico de irrigação foi feito pelo engenheiro agrônomo da Empresa de Engenharia Projetec, Jailton Carvalho Sá. Participaram também da mesa técnica de apresentação o engenheiro agrônomo da Seagri, Claudio Menezes Lima, e o engenheiro agrônomo da Cohidro, Paulo Feitosa.

Pelos dados apresentados, o Projeto de Irrigação Manoel Dionísio está localizado no município de Canindé de São Francisco e sua execução exigirá um aporte de R$ 125 milhões. “A previsão é atender 1.156 famílias que desenvolverão atividades produtivas em lotes de cinco hectares voltados para fruticultura irrigada e lotes de 20 a 25 hectares para pecuária leiteira. Ao todo serão beneficiados 2.300 hectares irrigados com captação de água do Rio São Francisco”, explica Jailton Carvalho.

Na apresentação do estudo, o técnico da Projetec garante que o projeto é extremamente viável. “As atividades produtivas são a fruticultura irrigada e a pecuária leiteira sustentável. Os lotes da fruticultura receberão tecnologias modernas de irrigação e serão voltados principalmente para as culturas da goiaba, abacaxi, milho verde e abóbora”, destaca o técnico.

Segundo o engenheiro da Seagri, Cláudio Lima o estudo levou em consideração todos os assentamentos do INCRA e as Colônias já existentes na área do Projeto. Disse que “o projeto sai de uma característica empresária para atender ao pequeno agricultor familiar, gerando renda e melhoria da qualidade de vida”.

Já o técnico da Cohidro, Empresa que atua como colaboradora técnica no projeto, citou sua ida à Brasília, no dia 14 de maio, onde participou da reunião na Secretaria Nacional de Irrigação, do Ministério da Integração Nacional (MI), que viabilizou verba orçamentária de R$ 125 milhões para a construção do pólo de irrigação. “O Manoel Dionísio foi projetado para bombear água da Represa da Hidroelétrica de Xingó, mas muda a forma de abastecimento quando estiver pronto o Canal de Xingó, que pretende trazer água da Bahia até Nossa Senhora da Glória, passando por Poço Redondo, Porto da Folha e Monte Alegre”, relatou Paulo Feitosa.

Para o presidente da Cohidro, Mardoqueu Bodano, o Perímetro Manoel Dionísio vai aumentar a área atendida pela irrigação pública no Alto Sertão. “Além do Califórnia, administrado pela Cohidro e do Jacaré-Curituba, da Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba), este novo perímetro amplia o acesso a uma agricultura familiar suprida pela irrigação. Com isso, serão mais de 6,5 mil hectares de terra em plena produção de alimentos, com o advento da água do Rio São Francisco, em Canindé e Poço Redondo”, concluiu.

Um dos que falou após a apresentação técnica foi Carlos Fontenelle, naquela oportunidade representando o mandato popular do deputado João Daniel. Ele fez uma retrospectiva dizendo que “esse projeto tem origem em 2004 e envolve a luta dos trabalhadores. Na concepção original, o projeto era para os empresários. Depois de muita luta, os trabalhadores conquistaram uma negociação e ficou definido que 80% dos lotes ficaria para os trabalhadores e 20% para os empresários. Hoje o projeto está voltado totalmente para a Agricultura Familiar. Portanto, não está caindo do céu, tem uma participação e mobilização forte dos trabalhadores, principalmente do Movimento Sem Terra (MST)”, detalhou.

O representante da Fetase, José Júlio, avalia o projeto como de grande importância para os irrigantes, para a região e para o Estado. Ele destacou a luta do MST como principal movimento que batalhou pela conquista do projeto e comentou da felicidade de ter o nome de Manoel Dionísio imortalizado nesse empreendimento.

Já o líder nacional do MST, Gileno Damasceno, disse que esse diálogo promovido pela Seagri é importante para se construir uma proposta que atenda verdadeiramente aos agricultores. Segundo ele, o projeto precisa apenas de alguns ajustes, mas que contempla as propostas do Movimento.

Fonte: Assessoria de Comunicação da SEAGRI