Caruru de São Cosme e Damião é com quiabo sergipano

O São Cosme e Damião comemorado hoje, tanto em Sergipe como na Bahia, tem a tradição de preparar o caruru como oferenda às divindades das religiões afro-brasileiras e o consumo dos simpatizantes, no 27 de setembro. Sendo o quiabo, o ingrediente usado em maior quantidade no preparo da tradicional receita.
Mas na capital baiana, muito do quiabo encontrado nas feiras (como a tradicional Sete Portas) e mercados municipais, é sergipano, produzido mais precisamente no Perímetro Irrigado Califórnia, em Canindé de São Francisco. Nesse polo agrícola do Governo do Estado, de onde partem periodicamente caminhões carregados direto para a Salvador, foram produzidas 13.920 toneladas de quiabo em 2016.
Somando toda a produção dos demais perímetros irrigados da Cohidro, foram 16.976 toneladas do vegetal em 2016, para compor o caruru, feito nos dois estados nordestinos que muito seguem a tradição de Cosme e Damião.

Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter