Estudantes do IFS conhecem o ‘Balde Cheio’ na Cohidro de Tobias Barreto

Mesmo a passeio, a seriedade com que se deve levar o assunto é a mesma da sala de aula – Foto Fernando Augusto (Ascom-Cohidro)

Vindos do Campus São Cristóvão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe (IFS), 35 alunos do Curso Técnico de Agropecuária estiveram sexta-feira, 25, visitando as instalações e lotes de pecuarista do Perímetro Irrigado Jabiberi, em Tobias Barreto. Foram conhecer uma experiência bem-sucedida de criação de gado em sistema de piquetes rotacionados, chamado de ‘Balde Cheio’. Introduzido em 2010, pela Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro),o método possibilitou a esses pequenos pecuaristas, a produção média 1,3 milhões de litros de leite anualmente e agora está sendo expandido, pela Empresa, para a sua implantação também em Canindé de São Francisco.

Quem orientou a visita ao perímetro, distante 123km de Aracaju, foi a Professora Doutora em Zootecnia Mônica Alixandrina Silva Santos, que leciona a disciplina de Bovinocultura aos alunos do 3º ano do curso técnico.“Eu conheci o ‘Balde Cheio’ há uns três anos atrás.Me encantei com esse projeto e comecei a ler e sempre divulguei isso para os meus alunos. Alguns deles são filhos de produtores rurais, então eles ficavam as vezes me perguntando: ‘Professora, como que a gente produz em pouca área?’ Então eu senti a necessidade de mostrar um exemplo real, trazer esses meninos que tem essa vontade para conhecer e criar uma esperança de que pode produzir em uma pequena extensão”, descreveu a docente que contou com o apoio do auxiliar técnico, também do IFS, Jucelino Cortes.

O Técnico em Agropecuária da Cohidro, José Reis Coelho recebeu a turma no Jabiberi. Ele acompanhou a introdução do programa no perímetro de Tobias Barreto desde o início e hoje é a pessoa mais recomendada para falar do processo de conversão e seus efeitos. “Iniciado em 2010, após os dois anos introdutórios do programa, o resultado do ‘Balde Cheio’ foi de 40 criadores que aderiram ao sistema e hoje produzem, juntos, uma média diária de 3,7 mil litros de leite, 73% a mais do que era gerado no início do programa. Num dos melhores anos de produção, 2015, foram gerados 1.342.795 litros de leite, 8,7% a acima do ano anterior”, explicou ele que primeiro fez uma palestra aos alunos, depois os levou até o campo para conhecer a aplicação do sistema.

Para a professora Mônica Alixandrina, foi satisfatória a visita em Tobias Barreto, principalmente por que foi possível confirmar que o método de produção é viável. “Quando você alia a técnica ao esforço do produtor, não tem como dar errado, tem que trabalhar junto.Os meninos estão na academia pra trabalhar justamente essa técnica, muita coisa que o Coelho falou, a gente viu isso lá, realmente, na escola. Só que o que falta pra gente é a prática, a vivência do produtor, conhecer e ver que deu certo”, avalia.

No lote de Pedro Vidal, que tem dois sistemas ‘Balde Cheio’ implantados e ao todo 18 vacas, os estudantes se deparam a pastagem em recuperação e oito animais produzindo leite. Durante o verão passado, o nível da barragem do Jabiberi caiu muito e como esse reservatório é compartilhado com o abastecimento de água potável da sede municipal e povoados de Tobias Barreto, a distribuição no perímetro foi racionada, ficando deficitária principalmente na irrigação dos pastos. Tal fato é motivo de lamento por parte do produtor irrigante, que teve que diminuir o rebanho para a criação suportar o período de seca. “E foi como falei pra ele, problemas vai ter, de fato, então você tem que preparar os meninos, você tem que preparar o produtor rural para saber que você pode ter 10 anos de sucesso, mas pode vir seis meses de fracasso, então, você tem que está preparado pra isso”, conforta a professora Mônica.

Para o diretor de Irrigação e Desenvolvimento Agrícola da Cohidro, João Quintiliano da Fonseca Neto, o produtor é exemplo para todos os demais e o sucesso que alcançou e está servindo como molde no processo de transferência de tecnologia do programa para outros perímetros. “Pedro Vidal foi capaz de obter o resultado de 6.500 litros de leite em um mês. É, sem dúvida, o mais bem sucedido dos que optaram pelo ‘Balde Cheio’ do Perímetro. Portanto, é nele que levamos (em 8 de junho) os nossos técnicos de Canindé, na intenção de implantar o programa no nosso Perímetro Califórnia. Em pleno Semiárido, o sistema tem muita chance de dar certo, pela disponibilidade de água que é maior do que em Tobias e pela própria aptidão do Serão Sergipano, que é a de produção de leite, aproveitando principalmente as áreas ociosas que existem nos lotes e com isso diversificar as atividades do Perímetro Califórnia”, comenta.

O sistema
No ‘Balde Cheio’ a área destinada ao pasto é dividida em pequenos piquetes, onde a quantidade de pasto mantem o rebanho, a depender do tamanho do piquete e do número cabeças, pastando por 24 horas ou 12, caso o produtor possuía 48 piquetes ao invés do usual, que são 24. De forma que, enquanto o gado parte para outro piquete, o anterior e já pastado, se recupera com muita irrigação e adubo, a fim de estar pronto para novamente receber o gado dentro de 24 dias.

“Os nossos perímetros irrigados, até para poder acomodar um número maior de agricultores familiares, foram projetados para atender pequenos lotes ou somente parte de áreas maiores, levando em conta a vazão de distribuição de água do sistema de irrigação. Por este motivo, em Tobias Barreto ou em Canindé, o ‘Balde Cheio’ se adapta perfeitamente, pois foi criado aproveitar pequenas propriedades rurais que dispõe de irrigação o ano inteiro. Havendo esta transferência de tecnologia para o Califórnia, aumenta a variedade de produtos oferecidos pelo Perímetro e a versatilidade do produtor em se adaptar à demanda do mercado. Tem tudo para dar certo e os produtores sabem disso, tanto é que hoje mais de 40 deles, lá em Canindé, já foram cadastrados para a seleção que começamos a fazer”, afirmou o diretor-presidente da Cohidro, José Carlos Felizola.

Um dos estudantes que esteve no Jabiberi, na sexta, foi o formando Mateus Menezes. Para ele, a viagem valeu a pena e supriu a demanda que tinham de conhecer o método diferente do que é visto em outras regiões produtores de leite, onde geralmente a criação de gado é extensiva.“Agente não conhecia esse sistema, não tão bem como conhecemos agora.É um sistema muito interessante, porque a gente vê que a viabilidade é bem melhor do que os outros e realmente, é eficaz, dá lucro ao produtor e deixa ele satisfeito. Vamos usar o termo da área, uma suplementação para gente, de formação. Um conhecimento que a gente não tinha e agora a gente vem tendo”, analisou.