Jardim de Infância aprende em horta orgânica cedida pela Cohidro de Canindé

Tito Reis recebeu pequenos alunos e educadoras pra mostrar o trabalho de produção orgânica que faz com agricultores – foto acervo Tito Reis

A fim de aprender como nascem, crescem e para que servem as plantas, alunos da Educação Infantil do Colégio Ágape, em Canindé de São Francisco, na última sexta-feira, 04, estiveram na Horta Coletiva da Associação Sergipana de Orgânicos (Bio5). Local cedido à Entidade pela Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), na área do Perímetro Irrigado Califórnia, também neste município do Alto Sertão.

Trata-se de um espaço seguro para receber as crianças, pois lá os técnicos agrícolas da Cohidro ensinam práticas de agricultura livre do uso de agrotóxicos, para os produtores orgânicos e àqueles em processo de conversão ao método produtivo. A Bio5, além do treinamento, utiliza dos produtos que são colhidos na horta para comercialização nas feiras da região ou no próprio local, onde o cliente tem a possibilidade de escolher o alimento no pé ou até colher ele mesmo.

Quem recebeu os alunos do Jardim de Infância foi o Técnico Agrícola Tito Reis, servidor da Cohidro em Canindé. Para atender os pequenos visitantes, ele contou com o auxílio dos colegas, também técnicos da Empresa, Joaquim Ribeiro e Roberto Ramos, que atuam no Califórnia.

“Mostramos para as crianças os tipos e as utilidades das plantas. Apresentei para os pequenos alunos como se faz um plantio orgânico. Foi uma aula prática para que eles tivessem uma ideia de como é e de onde vêm as hortaliças que eles comem em casa”, ressaltou Tito. Na horta ele cultiva, com os agricultores, desde hortaliças comuns como alface, couve, coentro, rúcula, cebolinha, berinjela, pimenta de cheiro e mostarda, todas em plena produção; até experiências com alimentos exóticos ao clima Seminário do local, a exemplo do morango, do melão e do gengibre.

A horta fica situada ao lado do escritório da Companhia em Canindé e às margens da rodovia SE-230, que liga a cidade aos outros municípios do Estado. Foi essa visibilidade que fez despertar o interesse das educadoras do Colégio, conforme contou a diretora Ana Paula Cabral. “Foi a escola que procurou. A professora (Geovana Moreira) da educação infantil está dando o conteúdo da ‘utilidade das plantas’. Passando, a gente viu a horta e entramos em contato com a Cohidro. Nos informaram que a pessoa responsável era o Senhor Tito e que trabalhava sem agrotóxico, que é orgânico e achamos bem interessante a proposta”, considerou.

Presidente Felizola – Foto Ascom Cohidro

Segundo o diretor-presidente da Cohidro, José Carlos Felizola Filho, a atividade orgânica neste e em outros perímetros sempre atrai o interesse acadêmico. “Geralmente recebemos visitas de turmas de universitários e de estudantes técnicos, focando nas práticas agrícolas. Mas não é incomum essa versatilidade, que estes espaços oferecem para professores poderem falar da importância do trabalho do homem do Campo e da preservação do Meio Ambiente, principalmente da água, razão da nossa Empresa existir”, reconhece.

Procurando a Cohidro, o Colégio marcou a visita, sob o compromisso do técnico Tito Reis em fazer uma demonstração aos pequenos. “Os alunos ficaram bem interessados. Nosso objetivo foi mostrar na prática aos alunos o que estão aprendendo em sala na teoria. Mostrar o lado prático da questão o que se trabalha de conteúdo em sala, porque a vivência com certeza vai marcar mais do que só falando né? Na sala é só de uma forma mais imaginaria e na prática eles viram, plantaram, pegaram, foi bem legal! As pessoas podem pensar: é educação infantil, eles não vão entender… Muito pelo contrário, eles interagiram muito bem, gostaram”, avaliou Ana Paula, que passou a conhecer o espaço junto dos alunos.

Diretor de Irrigação e Desenvolvimento Rural da Cohidro, João Quintiliano da Fonseca Neto, explica que a transição à agricultura orgânica vem sendo incentivada nos perímetros administrados pela empresa pública, ligada à Secretária de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri). “Sem usar o agrotóxico, o consumo dos alimentos se torna mais seguro e a convivência das famílias de agricultores e trabalhadores rurais com a lavoura, fica sem os riscos da exposição aos pesticidas. Também são preservados de contaminação os animais e a vegetação nativa, solo e água”, defende, contabilizando 24 agricultores convertidos e registrados nos seis polos irrigados.

Bio5
Formada por agricultores do Perímetro Irrigado Califórnia, o grupo tem duas produtoras integrantes de uma Organização de Controle Social (OCS), entidade registrada no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para venda direta ao consumidor de produtos orgânicos, e outros seis agricultores interessados à conversão agroecológica, para assim terem também a autorização à comercialização desse tipo de alimento. Além de possuírem o espaço cedido pela Cohidro, para produzir e aprender, os agricultores irrigantes cooperam entre si, inclusive na realização de mutirões uns nos lotes dos outros. Na horta coletiva eles ainda geram três empregos, para trabalhadores rurais cuidarem das plantações.