Carlos Melo palestra sobre recursos hídricos na Unit

Palestra ocorreu no auditório Padre Melo, na Unit Farolândia

Diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), Carlos Fernandes de Melo Neto, na tarde do dia 22 palestrou no I Simpósio Sergipano das Águas, organizado pela turma de graduandos do curso de Direito da Universidade Tiradentes (Unit), evento realizado na unidade Farolândia da instituição, em Aracaju (SE).

O gestor da companhia expôs um elaborado histórico das iniciativas governamentais em decorrência às agressões ao meio ambiente, que iniciaram lá em 1972 com a Convenção de Estocolmo (ONU), até findar nas mobilizações a fim de reverter à crise hídrica que acomete a maior parte dos municípios brasileiros e os programas público-ambientais em que a própria empresa atua, seja no fomento ao fornecimento de água potável nas regiões isoladas do estado, seja na adequação ambiental das reservas hídricas de múltiplo onde ela atua também atua.

Especificamente, Carlos Melo detalhou de que forma a Cohidro participa do Programa Águas de Sergipe (PAS), adequando barragens e modernizando irrigação para que ela passe a consumir menos da metade das reservas de água e de energia elétrica nos perímetros irrigados da Ribeira e Jacarecica I. E frisou também o Programa Água para Todos (AP), que em sua primeira fase levou água para 37 comunidade rurais através de sistemas de abastecimento singelos, abastecidos por poços tubulares e que atende hoje 6.339 pessoas.

“Dentro deste programa (PAS), a Cohidro tem algumas missões que já estão sendo implantadas, como reduzir o desperdício na irrigação, nós temos o grande entrava que são as perdas de água. Para isso estão sendo investidos recursos a ordem de R$ 15 milhões, para que o processo de irrigação seja aquele que vai gota a gota no pé da fruteira, ou de alface, e ela absorve somente o que ela necessita.  Com isso a gente vai reduzir a necessidade do volume de água disponível e ter uma reserva maior e quando chegar a seca, a gente uma possibilidade maior de garantir essa produção de alimento para a nossa sociedade”, palestrou Carlos Melo aos educandos.

Sobre o AP, o presidente informou que é um programa do Governo Federal que tem a finalidade de atingir, até o ano de 2020, a universalização do abastecimento de água para as populações urbanas, rurais e difusas, sendo a companhia estadual o órgão executor e fiscalizador. “Até hoje foram perfurados 3.863 poços pela Cohidro, nosso aquífero no estado de Sergipe é muito ruim, nós não temos água no subsolo em abundância. Quando se perfura, principalmente na região semiárida, não se encontra água, quando se encontra, essa água é salobra. É uma grande dificuldade de garantir essa água para quem não tem esse acesso por uma questão de distância. Hoje nós temos toda uma estrutura pronta de adutoras, para abastecer 100% da população, mas essas populações estão muito dispersas, nos pequenos aglomerados urbanos. Isso torna cada vez mais difícil levar água par esta população e para isso que serve este trabalho da Cohidro, que na segunda etapa serão mais 67 desses sistemas para Sergipe”, informa o gestor que também foi diretor-presidente da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso).

Mediou a palestra, a advogada Letícia Maria Barbosa Nunes Lopes. Engajada nas causas ambientais e atenta ao mal zelo que vem sendo adotado na preservação dos recursos hídricos, ela disse ter ficado muito feliz em ter contribuído justo sobre o tema meio e água. “Apesar da lei Lei No 9.976 (de 3 de julho de 2000) prever a universalização e a proibição da poluição das águas, hoje em dia ainda há muita coisa sendo despejada na água, como resíduos agrícolas e industriais, e também grandes toneladas de esgotos sem ser tratado. Então, são importantes eventos como estes, para fazer esse alerta que precisamos sim nos preocuparmos com o meio ambiente como um todo: água, árvores…, não só para a gente como para as próximas gerações”, salienta.

Formanda em Direto, da turma que organizou o Simpósio, Jaine Feitosa Oliveira é uma futura advogada já aprovada no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e que também pensa no futuro, quando a questão é a preservação dos recursos hídricos do planeta. “Nada melhor que uma pessoa conhecedora do assunto que sabe dos problemas e que vai apresentar soluções para os problemas inerentes à água, a tudo isso, que é uma substância essencial na nossa vida. E nós precisamos contribuir, nós precisamos ajudar para que a água, ela seja bem limpa, que continue ainda muita água no mundo para que no futuro a gente não venha sofrer por conta da nossa própria desorganização da nossa própria, digamos, utilização da água”, disse a também cerimonialista do evento.

Carlos Melo concluiu a palestra deixando, como mensagem, o alerta de que tudo que pode ser feito hoje, para reverter a degradação ambiental, vai refletir na vida dos futuros cidadãos. “Compete a cada um de nós, zelar e promover as próprias mudanças comportamentais, de forma a melhorar a nossa convivência com o meio ambiente e assim garantir a sobrevivência das próximas gerações”.