Irrigantes agora produzem mudas de uva com apoio da Embrapa e Cohidro

Beneficiados pela irrigação fornecida pela Cohidro em Canindé, eles abrigam campos experimentais da fruta em seus lotes. A ampliação das áreas com uva se dará sem precisar adquirir mudas fora de Sergipe.

Mudas são feitas ‘colando’ uma amostra da planta que se pretende gerar frutos em um suporte ou cavalo de outra variedade – foto arquivo pessoal

Chega a um terceiro patamar a parceria de transferência de tecnologia entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agrícola (Embrapa) e a Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), para a produção de uvas no estado. Depois de todo preparo das videiras no Perímetro Irrigado Califórnia, administrado pela estatal sergipana em Canindé de São Francisco (SE), e da ascensão, em duas colheitas bem-sucedidas, agora é iniciado um trabalho de replicação dos plantios, mas desta vez com mudas produzidas pelos próprios produtores, de uma variedade de mesa e de frutos sem semente.

Eles estão usando material genético de plantas adultas da variedade BRS Vitória, trazida pela Embrapa de sua unidade Semiárido em Petrolina (PE) e inédita nos plantios de Canindé, para fazer a enxertia (cavaleiro). Mas os porta-enxertos (cavalos) estão sendo retirados dos parreirais sergipanos, das variedades Isabel e BRS Violeta, uvas de mesa e apropriadas à produção de sucos e vinhos, introduzidas há quase dois anos e prestes a fazer a terceira colheita comercial. No começo destes dois campos experimentais, em lotes de irrigantes do Califórnia, as mudas vieram prontas para serem plantadas nos parreirais.

O trabalho de produzir estas novas mudas ainda é experimental e passou a ser feito pelos agricultores, técnicos agrícolas da Cohidro e seus estagiários, depois que, no dia 5, eles participaram de uma demonstração feita pelo engenheiro agrônomo e pesquisador Paulo Roberto Coelho Lopes e o técnico agrícola Guy Rodrigues, ambos da Embrapa Semiárido. Segundo um dos produtores que possui um parreiral, Levi Alves Ribeiro (Sidrack), eles ainda não têm noção do quanto vão ampliar a área plantada de uva em seus lotes, o que vai depender do sucesso desse trabalho executado por eles. “Estamos iniciando o processo de produção de mudas, esperando o ‘pegamento’ dessas enxertias. Na próxima visita da Embrapa, iremos definir que área pode ser plantada”, adianta.

Diretor-presidente da Cohidro, Carlos Fernandes de Melo Neto estabelece que essa nova etapa da parceria com a Embrapa, reforça a chance para a consolidação da Viticultura em Canindé. “A possibilidade desses agricultores produzirem mudas aqui, abre campo para expansão dos parreirais para os lotes irrigados de outros agricultores atendidos pela Cohidro no Califórnia. Isso cria campo para os produtores irrigantes já engajados no projeto fazerem uma renda extra, na produção de mudas de uva a partir da irrigação fornecida pela empresa”, reconhece. Para ele, os altos custos com a compra de insumos usados na cultura e a busca por outros mercados para escoar a produção, vai fazer necessária à organização dos produtores em cooperativas.

Levi Alves já é o presidente da Cooperativa de Fomento e Comercialização do Perímetro Irrigado Califórnia (Coofrucal) e estuda meios de comercializar a uva fora de Canindé através da organização. Ele e José Leidison dos Santos, o outro produtor que possui um campo experimental da fruta, até agora puderam contar com o subsídio da Embrapa para arcar com os cursos de implantação dos cultivos, exceto com a terra, a água e a mão de obra. Mas quando o acordo de cooperação acabar, eles terão que tirar da própria produção de uva os rendimentos para manter a plantação, conforme explicou o diretor de Irrigação e Desenvolvimento Agrícola da Cohidro, João Quintiliano da Fonseca Neto.

“Para que fosse possível implantar esses novos campos experimentais da uva em Canindé, de um lado entrou a Embrapa, como multiplicadora de seus resultados obtidos em pesquisas de variedades de uva adaptáveis ao Semiárido aqui em Sergipe; fornecendo mudas, materiais para construir os parreirais, sistema de irrigação por gotejo, os insumos usados na fertirrigação e a assistência técnica feita em visitas periódicas, durante 2 anos. Do outro vem a Cohidro, dispondo áreas e água de irrigação no perímetro Califórnia, cooptando produtores capacitados em levar o projeto adiante e dispondo de seus próprios técnicos, para acompanhar os agricultores em tempo integral e depois que o convênio acabar”, expõe o diretor de Irrigação da companhia.

Novas culturas
Gerente do perímetro Califórnia, Eliane de Moura Moraes considera ser também papel da Cohidro, o apoio e a orientação ao produtor, na hora de escolher as culturas agrícolas que vai pôr em seu lote, de modo a evitar que tomem prejuízos devidos às más escolhas. “Todos plantando a mesma coisa, ou optando por plantios que têm pouco rendimento na venda, como é o caso aqui com o quiabo, acaba trazendo pouca rentabilidade para o agricultor e até uma subutilização de toda essa infraestrutura que o Governo do Estado está oferecendo a eles”, argumenta. Ela relata que é constante a procura por novas culturas agrícolas que ampliem o leque de possibilidades de geração de renda aos irrigantes.

“Por isso damos todo apoio à produção de uva. Agora, por exemplo, disponibilizando o nosso técnico agrícola, Beto (Antônio Roberto Ramos) e os estagiários Oséias e Cleia, para ajudar os produtores a fazer as mudas. No mesmo projeto com a Embrapa, conseguimos trazer um terceiro campo experimental de pera para o lote do irrigante João Fernandes, que em breve terá a primeira colheita. Já temos um projeto piloto do ‘Balde Cheio’ (criado na Embrapa Pecuária Sudeste) instalado e produzindo muito leite no lote de Everaldo Mariano; tecnologia que fomos buscar no perímetro Jabiberi em Tobias Barreto (SE), também da Cohidro, com o apoio incondicional do nosso colega é técnico de lá, o (José Reis) Coelho”, complementa Eliane.