Curso sobre qualidade do leite encerram os 2 anos do Sertão Empreendedor no Jabiberi

Capacitação tratou da qualidade do leite que os produtores vão ofertar ao laticínio – foto Ascom Cohidro

De 26 a 28 setembro ocorreu uma capacitação extra aos dois anos em que 16 microprodutores de leite do Perímetro Irrigado Jabiberi tiveram o acompanhamento e orientação técnica do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Sergipe (Senar-SE). Em parceria com a Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), que administra este polo leiteiro em Tobias Barreto (SE), o Senar-SE atuou via Programa Sertão Empreendedor, que incluem cursos de formação profissional rural (FPR) como este – sobre a qualidade do leite para à venda – e visitas periódicas e individuais aos lotes irrigados.

Aplicada pela zootecnista Annelise Aragão Correa do Senar-SE, a FPR foi sugerida e requisitada pelos próprios pecuaristas. “Aqui teve a atuação do Sertão Empreendedor, é um programa que atuou em sete municípios e Tobias Barreto foi contemplado. Foram atendidos 20 produtores de Tobias Barreto e o programa já acabou, só que eles pediram que fosse fornecido esse curso porque o laticínio aqui agora vai começar a comprar por qualidade. É para poder saber tirar o leite sem tanta bactéria e fazer o teste do alizarol (que é o teste de acidez do leite). Como eles vão começar a fazer, várias coisas causam acidez. Então, é para o leite deles não ser perdido financeiramente e ser descartado”, explicou.

Eles produzem leite com vacas acomodadas em unidades de produção criadas a partir de outro programa, o ’Balde Cheio’. Inserido no perímetro em 2010, consiste na divisão dos pastos irrigados em 24 piquetes menores. Os animais se alimentam cada dia em uma desses cercados, tendo aquela parcela de capim 24 dias para se recuperar, com boa irrigação e adubação, e servir novamente rebanho depois desse período. “Após os dois anos introdutórios do programa, o resultado foi de 40 criadores que aderiram ao sistema e hoje produzem juntos uma média diária de 3,7 mil litros de leite, 73% a mais do que era gerado no início do programa”, salienta José Reis Coelho, técnico agrícola da Cohidro em Tobias Barreto.

Desde 2016 os produtores do Jabiberi estavam inseridos em um programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) promovido pelo Senar-SE, que incluem os cursos e as visitas periódicas ao produtor. “Os cursos, eles são pedidos ou via CNPJ Rural ou se todos tivessem DAP (Declaração de Aptidão ao Pronaf), mas precisa um mobilizador ter esse CNPJ Rural. E como eles são antigos produtores do programa e têm associação, eles pedem via associação”, acrescentou Annelise Aragão.

Um desses produtores de leite no Jabiberi é Antônio Meneses de Almeida. Criador de gado de leite (20 vacas) há cerca de 10 anos, ele acredita no benefício da capacitação, que vai influenciar diretamente na renda obtida na venda do produto. “Vendo para o laticínio aqui. É bom, porque quem não sabe, aprende, (entender) o que fazer para render o leite. Se trabalhar certinho muda sim, para (o laticínio) pagar o leite pela qualidade dele”, relatou ele, que participou da capacitação do Senar-SE que finaliza o Sertão Empreendedor no Jabiberi.

Transferência de tecnologia
Presidente da Cohidro, Carlos Fernandes de Melo Neto conhece tanto a produção de leite no perímetro de Tobias Barreto, como também foi conferir a sua ‘replicação’, feita pela transferência de tecnologia para o perímetro de Canindé de São Francisco, também administrado pela empresa. “O Balde Cheio é um sistema que deu certo no Jabiberi, que é um projeto de irrigação pequeno, de 75 lotes irrigados atendidos pelo Governo do Estado. No Califórnia, temos bem mais lotes atendidos (333) e se alguns aderirem à pecuária, vão diversificar os tipos de produtos (leite e derivados), que saem de lá e com isso haverá menos concorrência, esta que só favorece aos compradores”. O gestor expõe que no momento, existem dois processos licitatórios em curso para investir em melhorias nos dois polos irrigados.

“São recursos do Proinveste. Quase R$ 550 mil para recuperar e ampliar os reservatórios que têm cada lote do perímetro Jabiberi, aumentando a autonomia do produtor para resistir aos períodos de estiagem”, explica Carlos Melo. Em Tobias Barreto, a água para irrigação da Cohidro é distribuída por gravidade, em canais, e que chega nestes depósitos para então ser bombeada pelo produtor para irrigar os campos. “No Califórnia é bem diferente, são sete estações que fazem a água do São Francisco chegar com pressão suficiente para irrigar os lotes. Para lá, temos a outra licitação (prevista em R$ 3.368.539,34) para recuperação da estrutura, reposição de peças e montagem de equipamentos acoplados às 37 novas bombas, também adquiridas pelo mesmo financiamento, outro investimento de R$ 318 mil”, finalizou.

Melhoramento do rebanho
Segundo o diretor de Irrigação e Desenvolvimento Agrícola da Cohidro, João Quintiliano da Fonseca Neto, com a irrigação fornecendo alimento para o gado de leite, a tendência é dos produtores investirem mais nas criações. “Mesmo eles contando com pouco espaço, em lotes com tamanho médio de um hectare, eles conseguem manter muito mais animais, com a irrigação e capim separado por piquetes (Balde Cheio), do que se eles estivessem criando em sistemas de sequeiro. Esse incentivo da irrigação favorece a eles investirem em melhoramento do rebanho e inseminação artificial para a renovação dos plantéis. Isso já se tornou realidade no Jabiberi e agora avançam mais um passo, aprendendo a trabalhar com a qualidade final do leite, para vender dentro das normas sanitárias e com valor agregado, traduzindo em mais renda por litro de leite entregue”, argumenta.

Pedro Vidal é um dos pequenos criadores do Jabiberi que mais bem se adaptou à melhoria que a irrigação e o sistema de rotação de pastagens do Balde Cheio trouxeram à produção de leite. Participante do curso que finalizou o Sertão Empreendedor, ele acredita que a capacitação vai trazer mais benefícios ao seu negócio. “Sempre traz, quanto mais conhecimento melhor, para a produção do leite e a qualidade. E o preço vai melhorar, pois terá qualidade e irá aumentar no mínimo uns 15 a 25 centavos por litro. Durante dois anos eu tive um assistente para direcionar (ATeG), mas já terminou, daí teve esse curso aqui e com certeza vai ajudar mais ainda”, concluiu.