Técnico da Cohidro atua em projeto de capacitação em conjuntos habitacionais populares de Lagarto

Perímetro Irrigado Piauí desenvolve trabalho de incentivo à Agricultura Orgânica entre os agricultores irrigantes
O técnico agrícola Marcos Emílio disse que nas palestras encontrou pessoas interessadas em fazer hortas – foto Fernando Augusto (Ascom-Cohidro)

Os conjuntos de habitação popular do Minha Casa Minha Vida (PMCMV), após concluídos e entregues, recebem investimentos do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS) da Caixa Econômica Federal, para os moradores terem acesso, dentre outras atividades socioassistenciais, à cursos e capacitações em atividades laborais, criando meios de subsistência nessas famílias. Dias 15 e 16, o técnico agrícola da Cohidro em Lagarto, Marcos Emílio Almeida, palestrou sobre a criação de Hortas Comunitárias Orgânicas e Meio Ambiente nos residenciais Antônio Martins de Menezes e Júlia Nogueira, que somam 416 casas na sede do mesmo município.

Serve de bagagem para o técnico agrícola os 30 anos de atuação no Perímetro Irrigado Piauí, também em Lagarto ( há 75km da capital). Polo agrícola em que a Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro) assiste 421 lotes da Agricultura Familiar com irrigação e assistência técnica rural. Marcos Emílio foi um dos responsáveis, por exemplo, pela implementação de unidades produtivas orgânicas, onde não há uso de agrotóxicos no cultivo de alimentos. Nesse processo de conversão, o produtor ganha espaço em novos mercados e faz o ambiente de trabalho e moradia mais seguro quanto aos riscos de contaminação.

Hoje são 11 agricultores inscritos e autorizados, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a comercializarem seus produtos diretamente ao consumidor, como integrantes da Organização de Controle Social (OCS). Segundo Marcos, o ambiente encontrado nos conjuntos residenciais em pouco se assemelha ao visto no perímetro irrigado há cerca de 20 anos atrás, quando muito pouco se fala em agricultura orgânica e os técnicos da Cohidro começavam introduzir a ideia no Piauí. “Vi que houve mais interesse das pessoas. Algumas já tiveram horta em casa, mas desistiram porque não conseguiam produzir. Mas dei algumas orientações iniciais para implantação das hortas. Tinham pessoas mais empolgadas, querendo um curso completo”, destaca. Havendo interesse dos moradores, o projeto prevê que ocorram capacitações práticas para a montagem das hortas.

Silvano Campos de Jesus é presidente do Centro Comunitário Antônio Martins, no residencial do mesmo nome e reconhece a importância do trabalho realizado no conjunto habitacional. “Olha, muito interessante esta inciativa, de estarem vindo aqui, trazer este benefício para a gente. Explicar como cuidar do meio ambiente e de saber que a gente tem que saber administrar o que Deus nos deu, no caso da terra”. Ele revela que já era uma ideia discutida, no grupo que lidera, trazer à comunidade algum tipo de incentivo à Horticultura. ”A gente sempre faz reunião aqui e as pessoas já citaram de fazer uma horta comunitária. Graças a Deus, chegaram na hora certa”.

As 180 moradias do Antônio Martins foram um investimento federal de R$ 10.260.000, destinadas à Faixa 1 do PMCMV e sorteadas entre famílias com renda de até R$ 1.600 do município. A entrega foi realizada em 29 de agosto de 2016, cerimônia em que participaram o presidente da Caixa, Gilberto Occhi e o vice-governador do estado, Belivaldo Chagas.

Trabalho Técnico Social
Maria Auxiliadora de Souza Carvalho é a assistente social contratada, via FDS, para coordenar um Trabalho Técnico Social (TTS) nestes conjuntos. São 18 anos trabalhando no acompanhamento de projetos habitacionais, populares ou comerciais, financiados pelo ‘Minha Casa Minha Vida’. Ela conta que o convite feito a Marcos Almeida contempla mais uma das atividades educativas aplicadas aos moradores, tendo antes ocorrido palestras de prevenção de acidentes domésticos e violência contra a mulher, cursos de design de unhas e depilação. E ainda iriam acontecer capacitações sobre doces caseiros, salgados, artesanato em chinelos e massagem corporal.

“A importância do TTS, é que desde o começo a gente já começa a interagir com as famílias. As famílias vão se conhecendo, e a gente vai percebendo as necessidades. Dentro do processo social a gente traz o que é necessidade para eles, para que eles tenham sustentabilidade e entendimento. Para que as pessoas possam caminhar com as suas próprias pernas”, expôs Maria Auxiliadora. Ela destaca que após a aplicação das palestras e capacitações, o planejamento do projeto de TTS que ela está coordenando prevê o convite a ser feito ao Sebrae, para então trabalhar, nos moradores, as noções de empreendedorismo.

Referência
Presidente interino da Cohidro, Jorge Kleber Soares Lima orienta que embora a atuação de assistência técnica rural da empresa seja limitada aos perímetros, sempre ocorrem ações de extensão rural fora desses limites. “Cabe-nos ter técnicos atuando aonde nossas adutoras põe água nos lotes irrigados. É um acompanhamento específico para quem irriga, diferenciado do feito pela Emdagro (Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe), órgão do Governo de Sergipe responsável por atender o estado por completo. Talvez por isso, de poder trabalhar em um grupo menor e mais específico de agricultores, tenhamos alguns trabalhos técnicos que se destaquem e resultem em convites em projetos externos”, considera.

O diretor de Irrigação e Desenvolvimento Agrícola da empresa, João Quintiliano da Fonseca Neto, complementa especificando que o trabalho de incentivo a Agricultura Orgânica e de acompanhamento dos projetos ao Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) da Cohidro, são referência no estado. “Temos uma cartilha educativa chamada ‘Produtos Alternativos para o Controle de Pragas e Doenças’, elaborada em 2011 e reeditada em 2016, que é o principal manual de consulta para muitos projetos que estejam iniciando no ramo da Agroecologia. Também serve de parâmetro, para todo estado, a orientação que damos aos nossos produtores irrigantes ao participarem dos projetos do PAA, gerido pela Conab. Há alguns anos são eles que têm a maior fatia da participação de Sergipe no Programa, tendo sido ultrapassados os R$ 7 milhões negociados somente dentro dos perímetros irrigados estaduais”.

Terapia
“O melhor disso é levar informações sobre o cultivo de várias hortaliças onde cada uma tem um aspecto produtivo diferente, uma necessidade nutricional de diferente adaptação. Tem um período produtivo diferente aonde o morador pode, a qualquer momento, colher sem necessidade de deslocar pra o centro da cidade e saber que o alimento é isento de agrotóxico. Outro fator é o plantar e colher, ver o desenvolvimento da cultura é uma terapia. Esse processo de plantar a semente ver a planta desenvolver cuidar e colher demora alguns meses e às vezes nos faz esquecer os problemas pessoais e nos traz uma espécie de alegria em ver o desenvolvimento da planta”, discorre Marcos Emílio.

A ‘Agroterapia‘ sugerida pelo técnico da Cohidro já encontrou uma adepta na moradora do Antônio Martins Meneses, Jailta dos Santos Vasconcelos. “O meu maior sonho é ter minha hortazinha. É o que eu sempre tenho mais vontade. Pelo menos é um divertimento para a gente estar ali mexendo na terra. A gente está trabalhando, despreocupado e os problemas vão saindo ali, no meio da terra”. Ela conta que só existe um entrave para que a sua horta vire realidade e embora seja um desejo pessoal, a plantação teria uma utilidade ainda maior para o marido, Luiz dos Santos Vasconcelos. Ele sofre com a insuficiência renal que lhe obriga fazer três sessões semanais de hemodiálise, condição de saúde que requer uma dieta alimentar especial.

“Não tenho, mas tenho vontade de fazer, mas só quando eu tiver o meu muro na minha casa. Por enquanto eu não quis, porque meu quintal ia estar aberto e eu tenho medo dos cachorros. Ele faz hemodiálise, o meu esposo, então tem que ter uma coisa para ele tudo limpinho, sem veneno. O alimento dele tem que escaldar, o feijão, tudo. Ai fazer uma horta para deixar lá aberto, é bem melhor comprar na feira e fazer todo o processo que eu faço em casa. Pelo que ele (Marcos Emílio) falou, se eu fizer meu muro, pode ser que dê”, considerou Jailta.

 

Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter